domingo, setembro 10, 2006

Métodos contraceptivos

A pílula é o método contraceptivo mais utilizado e um dos mais eficazes quando utilizado correctamente. Tem a vantagem de regularizar o ciclo e reduzir o fluxo menstrual e diminuir a síndrome pré-menstrual.
O adesivo contraceptivo é aplicado semanalmente durante três semanas em cada mês no braço, costas, abdómen ou nádega, ocorrendo a hemorragia durante a semana de paragem. É mais prático do que a toma diária, mas exige alguma vigilância em termos de adesividade e da substituição semanal.
O implante contraceptivo é colocado no braço sob a pele, pelo médico. Tem a vantagem de não requerer qualquer atenção por parte da utilizadora. O implante pode ser usado em qualquer idade, mas não é do agrado da maior parte das mulheres pelas irregularidades menstruais que provoca.
O preservativo requer alguns cuidados na aplicação e tem a vantagem de não requerer continuidade na utilização e de evitar o contágio de doenças sexualmente transmissíveis. Este é, sem dúvida, o método de eleição para relações ocasionais ou imprevistas, é de fácil aquisição em farmácias, supermercados, não tem contra-indicações e é o único método contraceptivo que protege de doenças como a SIDA.
O dispositivo intra-uterino (DIU) é colocado pelo médico e não requer cuidados nem manuseamento por parte do casal. Tem, ainda, a vantagem de ser eficaz durante vários anos. Este método está mais indicado em mulheres que já tiveram filhos.
O anel vaginal é inserido na vagina onde permanece durante três semanas, sendo que ao ser retirado origina hemorragia de privação. Uma semana depois é necessário colocar outro. É vantajoso por não requerer a toma diária.
Os espermicidas existem sob a forma de gel, espuma ou cone vaginal. Têm uma eficácia reduzida, excepto quando utilizados conjuntamente com o preservativo.
A abstinência periódica requer o estudo do ciclo menstrual e regularidade do mesmo no sentido de determinar o período fértil durante o qual não pode haver relações sexuais. Tem uma baixa eficácia, já que existem muitos factores, quer físicos, quer psíquicos, que podem, mesmo que acidentalmente, provocar alteração do ciclo menstrual.
A laqueação de trompas e a vasectomia são métodos cirúrgicos, dificilmente reversíveis, que consistem na laqueação das trompas, na mulher, ou do canal deferente, no homem, impedindo a progressão do óvulo ou dos espermatozóides, respectivamente.